Rentabilidade, liquidez ou segurança: como decidir onde investir?

182 Flares Facebook 114 Twitter 52 Google+ 7 182 Flares ×

Rentabilidade, liquidez ou segurança: como decidir onde investir?A resposta parece fácil, afinal todo mundo quer uma aplicação que seja rentável, com alta liquidez e segura. Entretanto, no mundo real, dificilmente existirá um investimento que atenda plenamente a estas três características.

A decisão sobre onde investir seu dinheiro passa pela análise desses fatores, aliado aos seus objetivos financeiros e o prazo para alcançar cada um deles.

O objetivo deste artigo é apresentar quais os melhores ativos para cada uma dessas características e mostrar como uma má escolha pode transformar seu investimento numa furada.

Rentabilidade

No caso da rentabilidade, os ativos que possuem essa característica de forma mais acentuada são de renda variável (ações e fundos de índice, por exemplo), e, por isso, também costumam oferecer um risco maior (menor segurança).

O mercado de ações é um ótimo investimento e pode oferecer uma boa rentabilidade no longo prazo.

Entretanto viver do mercado financeiro pode ser uma decisão arriscada, pois se essa é sua única fonte de renda, um passo em falso pode por tudo a perder, considerando que esses ativos não possuem o fator segurança.

Como já falei em outros artigos, mesmo quem se diz muito conservador deveria ter um pouco de renda variável em sua carteira, ainda que em pouca proporção, para que ele possa procurar boa rentabilidade de outras aplicações.

A mesma regra vale para os investidores mais arrojados. Eles também deveriam ter uma parcela em renda fixa para garantir uma reserva financeira.

Os investimentos em imóveis têm se mostrado uma boa opção para os que desejam ter uma boa rentabilidade. Mas é importante se atentar ao fato que é mais difícil vender um imóvel do que uma ação, ou seja, você tem baixa liquidez.

Segurança

Já para os que não desejam se arriscar muito no mercado de renda variável e preferem ficar com uma segurança maior, em detrimento de uma maior rentabilidade, a melhor opção são os títulos do Tesouro Direto, que possuem o risco de crédito mais baixo do mercado, já que são garantidos pelo Governo.

Para o curto prazo, a poupança também pode ser interessante, desde que a aplicação não ultrapasse R$ 70 mil – limite coberto pelo Fundo Garantidor de Crédito em caso de quebra do banco.

A poupança combina bons níveis de segurança com alta liquidez, mas deixa a desejar pelo fator rentabilidade, devido às baixas taxas de juros.

Desde o dia 4 de maio de 2012, o Copom (Comitê de Política Monetária) alterou as regras de rentabilidade da poupança: enquanto a taxa Selic estiver em 8,5% ao ano ou menos, a poupança passa a remunerar seus aplicadores com 70% da taxa SELIC mais a TR (Taxa Referencial).

Na última reunião de 2012, o Copom decidiu manter a taxa Selic em 7,25% ao ano. Com a taxa de juros neste patamar, o rendimento mensal da poupança fica em 0,41% mais TR, o que reforça o baixo rendimento atual da caderneta.

Liquidez

É sempre importante ter um investimento com um bom nível de liquidez. Em casos de emergência, nos quais o investidor precisa do dinheiro com urgência, essas aplicações podem servir como salva-vidas.

A poupança, por exemplo, além de oferecer segurança também proporciona liquidez.

Outra aplicação que garante uma liquidez elevada é o CDB (Certificado de Depósito Bancário), que também possui garantia do FGC até R$ 70 mil.

A liquidez deve fazer parte das prioridades de quem tem compromissos de curto prazo, porque, talvez, o dinheiro precise ser retirado com certa urgência.

Uma aplicação que consegue reunir uma boa dose destes três pontos são os títulos públicos do Tesouro Direto. Afinal, os títulos públicos têm segurança absoluta, liquidez semanal e boa rentabilidade. Além disso, existem títulos de diferentes modalidades que podem ser priorizados dependendo da atual situação da economia.

Péssimas escolhas de investimento

Por não considerarmos as taxas cobradas em cada aplicação, escolher apenas pela rentabilidade passada ou não tomar decisões levando o prazo em consideração, muitas vezes escolhemos aplicações que são verdadeiras furadas.

Vamos ver alguns exemplos:

1) Títulos de capitalização

Eles são tão ruins que nem valeria muito a pena comentar sobre eles. Além de não render absolutamente nada, há casos onde o “investidor” perde parte do dinheiro aplicado.

O problema é que algumas pessoas estão confundindo títulos de capitalização com títulos públicos. E não têm absolutamente nada a ver.

Para saber mais sobre esta aplicação, leia o artigo Entenda como funciona os títulos de capitalização.

2) Fundos com altas taxas de administração

É até difícil recomendar um valor até o qual você deveria pagar por essas taxas, dado que o investimento em títulos públicos (renda fixa) e fundos de índice (renda variável) possuem taxas de administração baixíssimas.

O especialistas costumam dizer que 3% a.a. deve ser a taxa máxima para um fundo de ações, ao passo que a taxa máxima para um fundo de renda fixa deveria ser 1,5% ao ano.

Para mais detalhes, recomendo a leitura do artigo Por que não investir em fundos de investimento.

3) Planos de previdência caros ou para objetivos de curto prazo

Antes de optar por um plano de previdência, é essencial observar a taxa de administração e taxa de carregamento. A primeira não pode ser superior a 2%, enquanto a segunda não deve ser cobrada.

Além disso, um plano de previdência privada deve ser escolhido para objetivos de longuíssimo prazo (superior a 10 anos). Qualquer coisa diferente disso é perda de dinheiro, até por conta do imposto de renda que incide sobre essa aplicação.

Para saber mais, leia este texto sobre Previdência Privada.

4) Poupança para o longo prazo

Quem aplica na poupança, deveria buscar segurança e liquidez. Entretanto não é necessário ter alta liquidez quando o foco é o longo prazo.

Além disso, a alíquota do imposto de renda é reduzida para 15% após 2 anos de aplicação, de modo que uma das maiores vantagens da poupança (isenção do IR) perde seu valor.

5) Mercado de ações para o curto prazo

Quem investe em ações certamente está em busca de uma rentabilidade superior à renda fixa. O problema é que existe um risco envolvido neste mercado, de modo que os preços dos ativos variam bastante no curto prazo.

O investimento em renda variável deve ser feito para objetivos de longo prazo.

Em 2012, o Ibovespa, principal índice de referência da Bolsa, rendeu 7,4%, não muito mais do que a poupança antiga. Mas, no longo prazo, nos últimos dez anos (de 23/01/2003 a 23/01/2013) o Ibovespa teve alta de 452,69%. No mesmo período, a poupança rendeu 114,83%.

6) Pirâmides

Outro péssimo investimento é entrar nos vários esquemas em pirâmide disponíveis no mercado. Também chamado de marketing multinível, esses esquemas só servem para enriquecer quem está no topo.

Para saber mais, recomendo a leitura do artigo Marketing Multinível: como identificar esquema em pirâmide.

Conclusão

Este artigo é mais uma prova de que não existe o melhor investimento. Afinal o investimento tem que se adequar ao seu perfil do investidor, objetivos financeiros, prazos e tolerância a riscos.

Outra dica muito importante é não utilizar (apenas) a rentabilidade passada para escolher uma aplicação financeira. Rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura.

Se você observar a rentabilidade da NTN-B Principal 150535, nos últimos 12 meses, vai se assustar com o resultado: 53,41% (em 25/01/2013, data em que o artigo foi escrito). Por se tratar de um ativo de renda fixa, obviamente é um resultado totalmente atípico e dificilmente se repetirá.

Até a próxima!

Imagem: FreeDigitalPhotos.net

Assine (é grátis)

Cadastre seu email e receba gratuitamente as atualizações do Quero Ficar Rico!


Atingiu a liberdade financeira e quer ajudar outras pessoas a alcançarem o mesmo objetivo. Continue lendo aqui!

  • Gabriel

    Muito bom post Rafael.Parabéns

    Como que eu faço para ver qual compensa mais: Previdencia Privada(PGBL regressivo com 40% em ações) ou ETF+Tesouro??

    Na previdencia privada que consegui eu tenho taxa adm de 1,8% a.a.

    E no Tesouro tenho 0% de adm mas tenho que pagar as taxas da CBLC na compra e aquela semestral. E no ETF tenho que pagar 0,5% mais a corretagem (7 reais) mais as taxas da da Bovespa e o IR tanto no tesouro qto no ETF

    Qual compensa??
    23mil com 1,8% ao ano pago R$ 414,00 por ano, fora que pretendo sempre investir mais…chega a assustar o qto eu vou pagar para o banco na previdencia no longo prazo

    Abs

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Gabriel,

      Se você pensa em deixar o dinheiro aplicado por mais de 10 anos, talvez a previdência compense, por conta do imposto de renda.

      Mas se você é bastante disciplinado e tem certeza que não vai mexer no dinheiro, eu prefiro TD + ETF.

      Abraço!

      • Gabriel

        Pode demonstrar em números?Não sei como fazer as contas para comparar

        Pq a longo prazo a previdencia vou pagar mto pra eles por conta da taxa de adm.

        • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

          Não dá para demonstrar em números, pois não são cálculos simples. A questão é que a previdência privada, após 10 anos do aporte mais recente, só sofre incidência de 10% do IR, enquanto as demais aplicações são 15%.

          Mas como eu ressaltei na resposta anterior, financeiramente TD + ETF é mais vantajoso, na minha opinião.

          Abraço!

    • Saul Livre

      Gabriel deixa de ser preguiçoso e faça as contas em uma planilha do excel, não precisa ser nenhum gênio pra fazer essas contas, caso tu queira pagar pra alguém fazer então tudo bem. é a rentabilidade do período menos os impostos e as taxas de cada aplicação, agora vai estudar juros compostos, as alíquotas de IR e taxas que tu paga…ou então pague um profissional pra fazer isso.

      • Gabriel

        O problema Saul não é ser preguiçoso ou não, muito pelo contrário.
        Oq eu não consigo calcular é com o aumento do montante…e as taxas da bovespa VERSUS as taxas da previdencia + IR

  • http://www.facebook.com/people/Pobretão-De-Vida-Ruim/100003513889338 Pobretão De Vida Ruim

    Todas as dicas dadas em relação aos investimentos ruins são ótimas. Título de capitalzação é loteria e nem é investimento e os bancos oferecem, que disparate.

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Muito obrigado, Pobretão.

      Abraço!

  • joel

    Ola, ótimo artigo. Tenho, porém, uma dúvida. Recentemente investi em um fundo de índice IPCA, no BB, com uma boa rentabilidade, cerca de 1,2% a 1,7% ao mês, com taxa de 1,5% a.a.. Porém, ao ler as regras, entendi que tal índice não seria garantido pelo Fundo Garantidor. Pode isso? O que tu pensa a respeito?

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Que seria melhor investir diretamente em NTN-B e NTN-B Principal, títulos públicos indexados ao IPCA.

      Além de não pagar taxa de administração, são garantidos pelo Tesouro Nacional.

      Abraço!

    • Matos

      O fato do fundo não ter garantia do FGC não que dizer que seja arriscado de perder tudo caso falência da instituíção. Não importa qual seja a instituição que oferece o fundo, mas sim EM QUE ATIVOS o fundo aplica. Caso haja falência da instituição, o fundo passa a ser administrado por outra, sem perdas aos cotista, MAS se o fundo tiver ativos podres (do tipo CDBs de um banco falido) aí sim ferrou…. assim preste atenção onde o fundo aplica e não qual instituíção oferece. vc sabia que os fundos do BB são, em sua maioria, do ICATU?
      Caso o BB ou o ICATU quebre…outra instituição assume o fundo, sem perdas. não se preoculpe com isso.

      • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

        Muito bem observado, Matos. No caso de fundos, você está corretíssimo. Já no caso de poupança, LCI e CDB, por exemplo, a instituição financeira deve ser analisada.

        Abraço!

      • Matos

        Háaa sim..uma dica, procure instituições independentes…elas têm melhores administradores e menos txs de administração. Sugiro o BTG Pactual….fundo de indice IMA-B com 0,5% aa de adm. e escelentes ativos. Se o BTG Pactual quebrar… e só aguardar qual instituíção assumirá o fundo. Sem perdas.

  • Rosana

    Oi, Rafael

    Muito bom o seu texto.
    Já que você falou sobre pirâmides, gostaria de saber se você conhece a Up essências. Um colega me ofereceu, mas se parece muito com o que você descreveu no artigo sobre as pirâmides. É como você disse: os de cima enriquecem. Mas e os de baixo?
    Oa mesmo tempo parece ser interessante, pois você ganha mais de acordo com os seus indicados e indicados dos indicados, etc. Mas o que me deixou intrigada é que o objetivo principal é indicar pessoas e não vender os perfumes! Por isso não vi muita lógica no negócio. Como se sustenta algo focado em indicações e não em vendas?

    Abraços

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Rosana,

      Sou conclusão já é a resposta que você procura: “o objetivo principal é indicar pessoas e não vender os perfumes”. Isso significa que o foco é o recrutamento, e não a venda dos produtos.

      Essa é a principal característica de uma pirâmide.

      Abraço!

      • Rosana

        Um colega de trabalho veio me oferecer mais dois essa semana, um de anúncios e outro de produtos. Nos sites os depoimentos são muito bonitos, com as pessoas ganhando muito.
        Mas logo essas coisas se tornam insustentáveis mesmo e só quem está bem em cima é que já ganhou muito dinheiro.
        Agradeço por sua resposta!

    • Andre Severiano

      Rapaz, não recomendo, principalmente porque o produto não é de qualidade.

      Seja feliz!

  • Andrea

    Muito obrigada. pela s dicas.
    Apliquei em um fundo de previdencia em nome do meu filho. mas provalvemente vou preciasar fazer um resgate no prazo de um ano, o que vc aconselha a fazer agora com esse dinheiro, uma vez que não vou resgatar tudo?

  • Andrea

    Muito obrigada. pela s dicas.
    Apliquei em um fundo de previdencia em nome do meu filho. mas provalvemente vou preciasar fazer um resgate no prazo de um ano, o que vc aconselha a fazer agora com esse dinheiro, uma vez que não vou resgatar tudo?

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Monte um fundo de emergência antes de fazer qualquer investimento, justamente para não precisar resgatar antes do prazo. No caso da previdência, por exemplo, a perda é muito grande por conta da tributação.

      Dá uma lida neste artigo: A importância de um fundo de emergência.

      Abraço!

  • http://deviagememviagem.wordpress.com/ Michelle

    Rafael, ótimo post como sempre!

    Tenho uma dúvida e espero que você possa me ajudar. Eu já invisto em Tesouro direto há mais de 2 anos. E em geral todas as minhas notas vencem em 2015, ano que pretendo adquirir minha casa própria. Agora no começo de 2013 não consigo mais comprar notas com esse mesmo vencimento e preciso procurar outras formas para investir meu dinheiro.

    Tenho uma pequena parte em ETFs, mas admito que sou bem conservadora com esse dinheiro :S Tenho colocado parte na poupança mas queria sua opinião sobre onde investir os próximos 2 anos de economia.

    Caso opte por cdb, como saber se é um investimento vantajoso no meu banco?

    Obrigada,

    Michelle

  • http://twitter.com/mesticomogi Rafael

    Antes de investir é importante saber que todos os investimentos possuem riscos. Por isso devemos diversificá-los.
    Eu divido os meus investimentos:

    Poupança – 40% (Invisto mais na poupança por ser mais segura e se por acaso eu precisar do dinheiro, posso resgatá-lo a qualquer hora).

    Tesouro – 30% (Já estou com 30 anos, já é hora de começar a pensar em aposentadoria).

    ETF – 20% (Não tenho tempo de ficar acompanhando o mercado, por isso compro em lote).

    Ações individuais – 10% (Julgo que são empresas sérias e que vislumbrarão um futuro promissor).

    Não sei se são os melhores investimentos. Só sei que são os melhores para mim. Cada um deve procurar o seu, não os melhores somente.

    Parabéns pelo blog!!

    • Saul

      Rafael, poupança não, pois 70% da selic não rola, existem fundos DI e de renda fixa que rendem 100 a 120% do CDI em D+0 e D+1, sem contar que o rendimento da poupança só acontece depois de 30 dias na data do aniversario.

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Eu não deixaria um percentual tão alto na poupança, a não ser que esteja na regra antiga.

      A LFT, por exemplo, rende aproximadamente 100% do CDI e tem liquidez semanal.

      Abraço!

  • Ricardo Gomes

    Rafael você comentou todos os tipos de investimentos ,mas esqueceu de nos esclarecer sobre o CDB e se no longo prazo ele se torna um bom rendimento?

  • Jorge

    Olá Rafael, onde posso encontrar um detalhamento(não entendo nada disso, minha área é outra!) de como investir no Tesouro Direto do Governo ? Sou bastante conservador e quero a máxima garantia para meu suado dinheirinho. Todas as minhas economias(dá pra comprar um apto) estão na poupança de um banco privado, vou deixar apenas os 70mil que eles garantem e quero aplicar o restante. Tenho na mente que é uma ajuda na minha aposentadoria, tenho 40 anos, por isso sei que não mexerei neste dinheiro antes dos 60 anos. Todos os meses acrescento cerca de 2mil. Se puder me ajudar ficarei bastante grato. Abs.

  • GDA

    Rafael,
    parabéns pelo blog. Tenho uma dúvida com relação ao Tesouro Direto. Como você citou, o NTN-B Pincipal de 150535 rendeu, nos últimos meses, 53,41%. Porém, quando comprei ficou pactuado 4,15% + IPCA, ou seja, bem menos do que o retorno dado no ano anterior. Isso significa que se eu esperar até 2035 vou receber, exatamente, 4,15% + IPCA ou posso receber uma rentabilidade maior?
    Caso seja pago o que foi pactuado, isso quer dizer que para manter o acordado, inevitavelmente, terá anos com rentabilidade negativa ou próximo de zero, visto que em um ano ele já rendeu o que renderia (em termos pactuado) em mais de quatro anos?
    Esse raciocínio está correto?

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Se você permanecer com o título até o vencimento, receberá exatamente a taxa contratada. Se vender antes, pode ganhar mais (ou menos).

      No exemplo que eu dei, quem comprou há um ano e vender agora, ganhará mais de 50%, independente da taxa que contratou. Em compensação, pode ser que nos próximos 12 meses a rentabilidade seja menor que a contratada ou até negativa.

      Esse é o risco de vender antes do prazo, que não existe na LFT, por exemplo.

      Abraço!

  • Ricardo

    Rafael, duas perguntas:
    1. E os títulos indexados à inflação? Às vezes eles têm um bom rendimento. São recomendáveis para deixar uma reserva de emergência?
    2. Hoje tenho a reserva de emergência em um CDB que paga 94% do CDI. Seria recomendável sair e ir para um fundo de inflação? Ou há uma outra alternativa melhor? Pago IR ao migrar o investimento ou só ao sacar o dinheiro?

    Obrigado
    Ricardo

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      1) Não. Como emergência, recomendo poupança, CDB ou LFT, que são ativos indexados à taxa básica de juros.

      2) Não. Mas você poderia procurar por um CDB que pague mais que 94% do CDI ou migrar para a LFT. Para migrar, é necessário sacar, portanto pagará o IR. Não há como “migrar” sem sacar e fazer nova aplicação.

      Abraço!

  • Manoela

    Amigo tenho uma aplicação por mais de 5 anos em CDB DI R$ 154 mil e a rentalibidade esta muito baixa proporcional a valor investido, média de 600 reais mês, gostaria de auxilio para saber qual o melhor investimento já que meu gerente não sabe de nada.

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Qual o percentual do CDI que esse CDB paga?

  • Sílvia

    Oi, Rafael. Estou pensando em investir em títulos do Tesouro, porém, como precisarei do dinheiro em 2016, terei que vendê-los antecipadamente. Neste caso, compensa comprar títulos cujos vencimentos são de data mais próxima ou de data mais distante?

  • Vitoniello

    OI Rafael. Parabéns pelo blog. Tenho acompanhado constantemente.

    Tenho um financiamento imobiliário, no qual pago juros de 7,53% a.a. O título público prefixado tem pagado juros de 8,59% a.a.

    Pressupondo que eu tenha uma quantia considerável, o melhor “investimento” seria amortizar o financiamento ou comprar os títulos e fazer com que a diferença dos juros trabalhem ao meu favor.

    No entanto, o IR do título público não poderia deixar as taxas iguais?

    Grato

    Vitor Toniello

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Se a taxa do seu investimento é maior que a taxa do seu financiamento, é melhor investir do que amortizar a dívida.

      Abraço!

  • alan

    gostei muito…parabens

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Obrigado, Alan.

      Abraço!

  • mariamaria

    Muito bom o seu artigo, bem claro, principalmente para quem começa…..

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Muito obrigado, Maria.

      Abraço!

  • mariamaria

    o que me dizes de Fic foco?

  • Silvio Kerchner Filho

    Ola Rafael, acompanho sempre suas dicas de investimento, gostaria da sua opnião sobre investimento em Cotas parte de cooperativa de credito (Sicoob). É um bom envestimento? Pois faço depositos mensalmente, pois no final do ano recebo o rendimento de um CDI e a incidencia do IR é de apenas 15% e ainda recebo parte dos lucros das cooperativa (sobras)…

    Obrigado.

  • Dianick

    Não acho os títulos de capitalização tão ruins assim. Eu fiz um superxcap, que pago apenas R$13,00 por mês. Eu tenho o compromisso de guardar esse valor mensalmente. Se tivesse que guardar esse valor na poupança por conta própria eu não teria o compromisso que tenho com o título. Lembrando que eu não tenho renda própria, ainda dependo dos meus pais. Ao meu ver, é uma forma de guardar dinheiro sem pesar no bolso.

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Na verdade, é uma forma de guardar dinheiro para quem não tem disciplina. Até porque título de capitalização não é um investimento.

      Abraço!

  • Maria Rosenita Melo Marques

    Eu sou pobre e quero ficar rica.Não tão rica mas ter estabilidade finaceira; o problema é que não sei como começar, nunca sobra dinheiro. São tantas contas que não se acabar e tão pouco dinheiro.
    Leio e reeleio as postagem de quero ficar rico e nem uma dela ecaixa no meu perfil.
    Mas já decobrir que sou boa em vendas só não tenho dineiro para investir.

  • Paulo

    Rafael,

    Boa tarde.

    Invisto na poupança há 1 ano e ainda não cheguei aos R$ 70.000,00. quando chegar nesse valor vc recomenda outras aplicações ? Sou bastante disciplinado e sempre deposito um valor mensal em poupança, em torno de R$ 500,00 para mim e para minha filha que hoje tem 2 anos! Estou certo em depositar na poupança?

    abç

  • Albertolino

    Tenho que ter conta em uma corretora para investir em títulos do governo?

  • Lord Alfa75

    Rafael,
    no exemplo fornecido, você informa que o Copon decidiu manter a taxa de juros a 7,25%. Se o rendimento da poupança é 70% da Taxa Selic, como o seu cálculo deu 0,41% mais TR? O correto não seria 5,07%?

  • Lord Alfa75

    Retificando: Copom.

  • Victor Rafaeli

    Se eu tivesse que retirar rendimentos sobre 800.000 todo mês o que você indicaria? Procuro baixo risco, sou funcionário de um banco público e conseguiria 100% do DI com esse valor? Qual sua Opinião em relação à inflação e imposto de renda?

  • Marcos Aurélio

    Rafael trago seu blog como referência. obrigado por suas colaborações.

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Eu que agradeço, Marcos.

      Abraço!

  • Josiane

    Boa noite Rafael!
    Primeiramente gostaria de lhe parabenizar por abrir este espaço tão esclarecedor e de discussão, em se tratando de um tema tão difícil e delicado que é investimento e economia já que é tão abstrato na vida de quem não lida diariamente.
    Bem, estou precisando de uma enorme luz, pois quero muito ajudar meus pais em um importante etapa que estão passando no momento. Eles venderam seu negócio de uma vida toda de trabalho, ambos tem 60 anos, e essa escolha foi para buscar qualidade de vida. parte desse dinheiro foi para pagar um financiamento imobiliário que estava rendendo juros altos (já que embutido tinha seguro-pela idade dos mesmos- e juros mensais), outra parte para organizar e melhorar uns imóveis que eles possuem para alugar e ter uma renda extra e outra parte é que é nossa maior e intrigável dúvida: Qual investimento eles podem fazer, vamos simular entre um valor de 50.000,00 a 150.000,00 que lhe dessem MENSALMENTE um completamento de renda? Se possível com taxas de administração viáveis e isentos de I.R? Por favor, nos dê uma luz, se caso não existir essa possibilidade, qual melhor investimento se encaixa no caso deles, que querem rendimentos a curto prazo? Obrigada pela atenção e sucesso no seu caminho!!!

  • Betão

    Rafael, vc podia excluir esse último post que não tem anda a ver com o tema proposto, desde já obrigado e parabéns pelo blog.

  • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

    Devidamente excluído :)

    Abraço!