6 Problemas da Previdência Privada

443 Flares Facebook 359 Twitter 60 Google+ 12 443 Flares ×

A previdência privada, ou previdência complementar, é uma modalidade de aplicação financeira cujo principal objetivo é garantir uma renda mensal no período em que você quer parar de trabalhar, por algum motivo especial, ou simplesmente deseja se aposentar.

Esses planos foram criados como forma de transferir a responsabilidade pelo pagamento das pensões, que antigamente eram assumidas pela empresa, para os trabalhadores.

Funcionava assim: antigamente, você combinava um valor que queria receber na aposentadoria e a empresa estipulava o valor do pagamento mensal. No momento da aposentadoria, começava o recebimento.

Agora o processo é o seguinte: você faz os depósitos e, de acordo com o que depositar e o rendimento que o dinheiro receber, você começa a sacar desse fundo (total ou parcialmente) ou, em algumas situações, transfere todo o dinheiro acumulado para a empresa de previdência em troca de uma renda mensal.

6 Problemas da Previdência Privada

O objetivo deste artigo não é explicar a previdência privada com detalhes. Até porque temos um material muito mais completo sobre previdência privada.

O propósito desde artigo é discutir 6 problemas para os quais os olhos devem estar sempre abertos. Antes de optar por um plano, tenha esta discussão sempre em mente:

Problema 1: Eles não são adequados para investir dinheiro no curto prazo (até 10 anos)

O caso mais comum é o de investidores quem perguntam ao gerente qual a melhor aplicação para um dinheiro que vai ficar parado por cerca de três a cinco anos.

Objetivando atingir as metas das instituições, o gerente sugere: “Vamos fazer uma previdência”.

Certamente este não é o objetivo do produto. Até porque a tributação da previdência privada é muito mais alta que as demais aplicações para prazos mais curtos.

Problema 2: Não basta depositar qualquer quantia para ter uma previdência tranquila

As pessoas devem poupar sempre, qualquer que seja o valor, para terem uma reserva para emergências, ou mesmo para adquirirem algum produto ou serviço no futuro. Até porque poupar é mais importante que investir.

Entretanto as pessoas devem evitar o autoengano. Explico: tem gente que ganha R$ 3,5 mil e pensa que, se fizer um plano de R$ 50,00 por mês, terá uma renda extra na aposentadoria.

Se considerarmos os custos (que veremos no próximo problema), você verá que boa parte do valor investido vai para a empresa que vendeu o plano.

Problema 3: Os custos do plano são importantíssimos (e nunca prestamos atenção neles)

O problema dos custos é um dos mais sérios na questão dos planos de previdência. A esmagadora maioria das pessoas não está nem aí para eles (taxas de administração e carregamento) nem sabe da sua existência.

Apenas para exemplificar, vamos comparar um fundo do tipo VGBL que cobre taxas de administração de 1% ao ano e de 3% ao ano.

Se investir R$ 100, por 35 anos, você acumularia algo em torno de R$ 198 mil, se a taxa fosse 1% ao ano. Se optasse por um plano mais caro (3% a.a.), o valor acumulado seria de R$ 124 mil. Notou a “pequena” diferença?

Pesquise bastante antes de escolher seu plano de previdência privada.

Problema 4: Cuidado com as simulações

Você já deve ter ouvido falar que o papel aceita tudo. Muito bem, o simulador da previdência também.

Dependendo das taxas que você utilizar, o computador será capaz de transformar poucos depósitos mensais de R$ 100 em milhões. Veja no problema anterior aonde chegaria, aproximadamente, seu depósito mensal de R$ 100 após 35 anos.

Na hora de vender o plano vale tudo (até que você pegue esse “tudo” e vá discutir no âmbito do Código de Defesa do Consumidor na Justiça). Lembre-se que rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura.

Problema 5: Planejamento sucessório

Se você visitar a página dos bancos que, em nome de suas seguradoras ou empresas de previdência, oferecem esses planos, verá afirmativas do tipo “você escolhe para quem deixará seu dinheiro ali depositado, sem passar pelo inventário”.

Tenha cuidado para não abusar dessa declaração. Se houver algum tipo de disputa judicial, o dinheiro do plano irá para o inventário. Se as regras de sucessão estiverem cumpridas, tudo bem. Caso contrário, não será o plano de previdência que irá resolver a situação.

Problema 6: Imposto sobre Herança

Outro argumento bastante utilizado é o imposto sobre herança (imposto sobre transmissão de bens). Os recursos do plano não estão sujeitos a tal imposto.

O problema é o seguinte: qual a taxa de administração e carregamento do fundo?

Imagine que seu estado cobre 4% de alíquota do imposto. Se o carregamento for de 2,5% e a taxa de administração de outros 2% (supondo que uma taxa razoável seria inferior a 1% a.a.), logo de entrada você já pagou o imposto de transmissão estando vivo!

Cuidado com os argumentos de venda e faça as contas.

Conclusão

Pense seriamente antes de contratar um plano de previdência privada. Avalie bem os pontos relativos às características tributárias, de carteira, e de liquidez, isto é, quais as limitações para sacar o dinheiro.

Lembre-se de que há vários provedores de planos de previdência privada que você pode consultar antes de fechar o contrato com algum deles.

Se você já fez seu plano de previdência, foi ler o contrato e viu que tudo isso que mencionei aparecia por lá, há uma solução: a portabilidade.

Você pode, assim como faz (ou pode fazer) com sua linha telefônica, transferir o dinheiro aplicado em um plano de previdência para outro, desde que respeitado o mesmo regime tributário (VGBL para VGBL e PGBL para PGBL).

Há prazos de carência a observar, mas o fornecedor do novo plano terá todo o prazer em explicar tudo direitinho para você. Se for fazer a portabilidade, procure o outro fornecedor antes.

Para saber mais sobre esse assunto (ou qualquer outro relacionado a produtos bancários), recomendo a leitura do ótimo livro Case com seu banco com separação de bens, do amigo Beto Veiga, principal fonte deste artigo.

Por fim, caso você queira uma alternativa infinitamente superior aos planos de previdência privada, recomendo a leitura do artigo ‘Investimento Seguro e Rentável para Aposentadoria‘.

Bons investimentos!

Imagem de shutterstock.com.

Assine (é grátis)

Cadastre seu email e receba gratuitamente as atualizações do Quero Ficar Rico!


Atingiu a liberdade financeira e quer ajudar outras pessoas a alcançarem o mesmo objetivo. Continue lendo aqui!

  • http://www.efetividade.blog.br Jônatas R. Silva

    Grande Rafael,
    Sou radical. PP só são interessantes havendo contrapartida por parte da empresa. Fora este caso o melhor, para os conversadores, é comprar LFT e garantir a SELIC.

    Abraço!

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Jônatas,

      Concordo que a PP com contrapartida da empresa é um grande negócio. De resto, também prefiro investir por conta própria, mesmo exigindo muita disciplina.

      Abraço!

  • Marjori Morais Cordeiro

    Olá’ !
    Tenho acompanhado seus artigos, que muito aprecio.
    Gostaria de mais esclarecimentos sobre:
    Doação de Bens de Herança Com Uso Frutos.
    Aguardo. Obrigada.

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Não tenho conhecimento sobre o tema, mas vou pesquisar para tentar produzir um artigo sobre o tema.

      Abraço!

  • Moises Ribeiro

    Olá Rafael suas postagens tem me orientado muito. Um grande abraço e parabéns pelo seu grande trabalho.

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Muito obrigado, Moisés.

      Abraço!

  • Akram

    Parabéns pelo artigo 6 problemas da Previdência Privada.

    Considerando as taxas de rentabilidade atuais da Previdència, que estão muito baixas, em torno de 7,5% ao ano, e, descontando a inflação de 5,8% ao ano e o imposto de renda 10% sobre os rendimentos. ( VGBL, tabela regressiva) Eu não encontrei o valor que vocè calculou, R$198 000,00 contribuindo R$100,00 por mês durente 35 anos.
    A rentabilidade é praticamente zerada pela inflação e o imposto de renda.
    Com rentabilidade zero, eu fiz a seguinte conta: 35 anos x 12 meses x R$100,00 = R$42.000,00. (considerando taxa zero de carregamento e administração).
    Se as minhas contas estiverem certas, não seria esse, o maior problema da Previdencia Privada.
    Mesmo contribuindo com um valor mensal superior a R$100,00,e depois de 35 anos, descobrir que não vai ter complementação de aposentadoria, é muito triste.
    Se as minhas contas estiverem certas, qual seria a alternativa para os jovens

    Atenciosamente

    Akram Sheeny

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Akram,

      As contas não descontaram a inflação. Apenas comparei taxas de administração (1% a.a. e 3% a.a.) para mostrar a grande diferença que uma taxa alta faz no final das contas.

      Em relação à alternativa para os jovens, sempre falo que é necessário expor parte do capital na renda variável, pois a renda fixa está com desempenho muito baixo.

      Abraço!

  • Edgard Santos

    Nunca vou investir em Previdência Privada, estou montando minha própria carteira de investimentos para aposentadoria.

    • David santos

      Também não apostaria nesses planos de previdência. Acho que o Tesouro Direto é bem melhor, apesar de que ultimamente seu desempenho não tem sido muito bom (como toda aplicação em renda fixa)

      • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

        David,

        Mas é nesse mesmo Tesouro Direto que os planos de previdência investem. Logo, a rentabilidade teoricamente seria a mesma. Não é por conta das taxas, o que torna esses planos ainda menos atrativos.

        Abraço!

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Edgard,

      Eu também prefiro investir por conta própria, que é o que faço atualmente.

      Abraço!

  • http://www.facebook.com/ederleodoroo Eder Thiago Costa Leodoro

    Boa rafael, gostei desse artigo, meu corretor me havia falado da taxa de carregamento e da taxa de adm e imediatamente mudei. Mais existe um site de consulta sobre previdencia privada? “Na hora de vender o plano vale tudo (até que você pegue esse “tudo” e vá discutir no âmbito do Código de Defesa do Consumidor na Justiça).” Boa essa, ri demais

    Abraços

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Eder,

      Não conheço um site específico para produtos de previdência privada. O ideal é pesquisar em seu banco (geralmente são os piores) e depois comparar com outras seguradoras.

      Em relação à piada, foi literalmente retirada do livro do Beto Veiga, que cito no final do texto :)

      Abraço!

  • elena

    adoro suas publicações tem me ajudado muito, sou organizada com dinheiro mas gos
    to de aprender sempre mais

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Eu que agradeço por sua visita e participação, Elena.

      Abraço!

  • http://www.facebook.com/silvio.kerchnerfilho Silvio Kerchner Filho

    Ola Rafael, acompanho sempre suas dicas de investimento, gostaria da sua opnião sobre investimento em Cotas parte de cooperativa de credito (Sicoob). É um bom investimento? Pois faço depositos mensalmente, pois no final do ano recebo o rendimento de um CDI e a incidencia do IR é de apenas 15% e ainda recebo parte dos lucros das cooperativa (sobras)…

    Obrigado.

    Curtir
    Responder

  • Rafa7786

    Rafael. Conheci teu blog agora. Grande abraço, o meu principal é de Futebol.

  • Rafa7786

    http://www.futebolextensivo.net. Recomendo o acesso beleza? Abraço. Sou amigo do Gustavo Freitas e Marcos Lemos do Ferramentas Blog, ETC.

  • R Mangueira

    Poxa, depois do que eu li aqui, já estou pensando em resgatar minha previdência privada ano que vem quando completa 10 anos!
    Afinal, o que fazer?
    Continuo investindo na previdência ou não?

  • eduaf

    Rafael,
    Parabens pelo site. Sempre aprendo bastante.
    Uma duvida:
    Um plano de previdencia com 0 % de administracao, com 4 % de taxa de carregamento é um bom plano?
    Obrigado,
    Abcs

  • Danilo Pimentel

    Amigos, minha esposa e eu (28 anos os dois) estamos juntos a 12 anos, estamos determinados a poupar dinheiro, nós entramos no funcionalismo público e ganhamos um pouco a mais que um salario minimo por mês. Decidimos então depositar 70 reais (35 reais cada um) por mês na POUPANÇA, pensando em retirar dinheiro somente em 2050 (daqui a 37 anos, quando estivermos com 65 anos).
    Minha esposa começou desde 01 de Dezembro 2012 com o aporte de 35 mensais e no inicio da conta (31/12) depositamos 70 reais, ficando 105 reais, devo começar com meu aporte mensal de 35 em Março (03/13) somente, pois estou pagando dividas em geral.
    Sendo que tínhamos costume de pegar moedas de troco em alguns gastos e gastar com bobeiras, agora estamos depositando quando chega a um valor de 6,00 reais na lotérica e incrivelmente estamos com 170 reais no dia 17/01, rendendo 0,60 centavos por mês, fiquei muito feliz, pois em casa não rendia nada, se eu guardasse, 0,50 é uma vitória.
    Passei a me interessar mais sobre poupar, pois vi que posso com miseras moedas juntar um bom dinheiro e ainda com os depositos mensais.
    A minha pergunta é: Estou depositando de acordo com o que junto (até 6 reais) fora o dinheiro do aporte mensal, que ficará no inicio de cada mês. Hoje estou com 09 aniversários dias 01,04,07,10,12,14,15,16 e 17. estou ficando com medo pois no futuro, poderei ter uma dor de cabeça com a retirada, mas creio que esta rendendo mais, pois se eu ficar esperando uma data certa, é capaz de gastar essas moedas e trocos de compras. O que fazer na hora da retirada? Você me aconselha continuar ou parar de depositar em dias diferentes?

    Lá em 2050, terei que retirar tudo e depois depositar novamente para ter somente uma data de aniversário?

    Antes de começar a poupar, eu pensei em Previdência, liguei para a CAIXA e pedi uma com 35 reais mensais de 37 anos, com taxa de administração (esqueci o valor, mas diminui com o tempo de previdência, chegando a 2%) e aporte mensal de 35, sendo que 25,00 é da previdência e 10,00 de um seguro de vida. E só acabaria de pagar o seguro quando eu tivesse 1.000 reais na conta ou começasse com este valor. Decidi abortar a previdência e correr para poupança, pois posso ajuntar primeiro os mil reais e migrar para previdência e não pagar esse seguro, fiz um bom negócio ou faria um bom negócio?

    Bem, na verdade o que nós queremos é que quando aposentarmos 65 anos, termos pelo menos 1 mil reais no minimo por mês ou mais na época futura, fora a nossa previdência do trabalho. para sacar e gastar com viagens e aproveitar a vida juntos. Pode acontecer mil coisas até lá, mas o nosso pensamento é esse até o momento. O que vocês nos aconselham?

    Obrigado.

    • Investosta

      Oi Danilo, li rapidamente seu comentário e decide focar na parte final que resume suas perguntas anteriores e seus temores futuros. Olha, se você quer ter uma aposentadoria que lhe renda R$ 1.000,00 por mês líquido daqui a 37 anos como citou o que equivale a 444 meses você deve depositar cerca de R$ 154,71 na caderneta de poupança à 0,42% ao mês (desconsiderando o peso da inflação) juntando um capital de R$ 200.000,00 onde todo o mês você retiraria o rendimento e deixaria o capital intacto. Porém como nós sabemos que suas aplicações em poupança teriam a influência da inflação você poderia escolher entre duas opções: a primeira seria de corrigir seus aportes mensais de acordo com a inflação do mês anterior e para isso vocês teriam que acompanhar pelo menos uma vez por mês o noticiário o buscar essa informação via internet, e a outra opção seria a de investir em títulos públicos indexados ao IPCA (ou índice de inflação) pois suas aplicações seriam protegidas da inflação. Neste caso o título que recomendo para vocês é a NTN B Principal 2035 e depois vocês passariam a investir na NTN B Principal com vencimento mais longo que provavelmente estará a disposição para compra no futuro (atualmente existe a NTN B 2050 que será o prazo que você estipulou para a aposentadoria de vocês, só que as NTN B’s pagam cupons semestrais e o ideal, para vocês, é que os juros sejam pagos apenas no vencimento dos títulos, que é o caso da NTN B Principal). Investir em títulos público está mas, simples e mais barato que a alguns anos atrás e comparado com a caderneta de poupança (mesmo esta sendo isenta de imposto de renda, taxas e IOF) ficou mais vantajoso em termos de rentabilidade, manutenção do poder de compra, além da segurança que compete muito bem com a caderneta de poupança. Os títulos do tesouro direto são melhores, também, se comparados aos planos de previdência privada ou complementar, tanto em termos de taxas, rentabilidade, liquidez, manutenção do poder de compra, sem falar na segurança e que você estará no controle de suas aplicações e resgates diretamente através de sua conexão de internet e sua conta numa corretora de valores (lembrando que algumas boas corretoras não cobram taxa alguma para seus clientes investirem em tesouro direto). Leiam sobre o assunto e tenho certeza que vocês irão concordar comigo. Se vocês não tiverem dificuldades com a internet será muito melhor estarem investindo em títulos públicos do tesouro direto. Claro que terão que tomar algumas precauções antes, como instalar um programa de segurança bom em seu computador, acessar suas aplicações somente através dele, escolher uma boa corretora e abrir uma conta digital para economizar com os DOC’s e TED’s que deverão fazer para transferir seus recursos financeiros da sua conta corrente para a conta corrente da corretora aberta em seu nome e dela poder começar a aplicar. O mais importante é que vocês estão preocupados com o futuro e infelizmente poucos brasileiros pensam assim, mas como vocês são funcionários públicos fica ainda mais fácil pensar a longo prazo. Percebi, também, que vocês estão conseguindo economizar um certo valor para investir, porém ainda é um valor muito baixo para vocês alcançarem os rendimentos que esperam no futuro e sugiro que com um pouco mais de disciplina e planejamento vocês possam aumentar o valor dos aportes mensais, já que possuem alguns elementos importantes, como: estabilidade no emprego e são jovens colocando a favor de vocês um tempo razoável para a ação dos juros sobre juros. Espero ter ajudado e boa sorte.

  • Arnaldo Escóssio

    Olá Rafael, parabéns por mais um ótimo artigo.
    Meu caro, tenho um plano de previdência que se divide em 50% renda fixa e 50% renda variável, o próprio plano se encarrega de cuidar desta aplicação na renda variável. O que vc acha desta modalidade?

  • Rafael João Dias

    Excelente artigo, facilita o posicionamento do investidor. Obrigado

  • Rodrigojabur

    Olá Rafael, qual a melhor opção pra quem não quer fazer a PP? Tenho 35 anos e já está passando da hora… rs
    Obrigado

  • mariamaria

    Amei o seu esclarecimento, tenho estudado e seguido suas indicações.

  • pupet …

    Vc abordou dois pontos essenciais: taxa de adm e taxa de carregamento!

  • GDA

    Olá Rafael,
    existe um ponto que acredito ser interessante. Em alguns casos (para quem faz IRPF completo e tem uma previdência PGBL) você pode diminuir o valor investido na previdência (até 12% da renda tributável) e “pagar” menos imposto de renda. Não seria um caso a se considerar? Você poderia citar alguns exemplos dessa dedução.

    Abraço

    • pupet …

      GDA,

      Previdência privada pra fugir do leão pode ser uma boa ideia… tiro como ex um colega médico e tmb cliente do banco onde trabalho. Ele paga por ano algo em torno de 25 mil só de I.R acabei recomendando uma PGBL pra ele, agora ele economiza por volta de 2 mil todo ano.

      Pense no assunto e procure seu gerente.

  • Natalia Cunha Furtado

    Rafael, no início do ano fui incentivada pelo banco a fazer esse tipo de plano (previdência privada), e lemdo o artigo, observei os valor das taxas no contrato, bate com o que vc relata. Então acho ou tenho certeza que estou perdendo com esse investimento, quero mudar e no artigo dar-se uma opção,e ainda vou estudar as opções. Mais entendo muito pouco de investimentos e estou comendo de errar de novo.Pode me sugerir algo,pois em minha cidade não tem muita opção de banco.

  • Natalia Cunha Furtado

    Rafael, no início do ano fui incentivada pelo banco a fazer esse tipo de plano (previdência privada), e lemdo o artigo, observei os valor das taxas no contrato, bate com o que vc relata. Então acho ou tenho certeza que estou perdendo com esse investimento, quero mudar e no artigo dar-se uma opção,e ainda vou estudar as opções. Mais entendo muito pouco de investimentos e estou comendo de errar de novo.Pode me sugerir algo,pois em minha cidade não tem muita opção de banco.

  • Edufz

    Rafael, o que pensa nas LCIs como investimento de RF agora que vivemos uma incerteza mas com futuro de provavel elevação de juros?

  • Juliano Pandolfo

    vcs tem alguma comparação de taxas e performance dos principais fundos dos bancos maiores???

  • Tadeu

    Caro Rafael, tomei uma rasteira da vida, agora estou começando do zero, estou de cabeça erguida e vou seguindo em frente, tenho um trabalho com uma boa qualidade de vida, porém com um baixo salário em relação ao mercado. Estou estudando para concurso e colocando currículo para poder ganhar mais. O que devo fazer, poupar ou investir em renda fixa, ou tesouro direto? Leio sempre seus artigos me ajudam muito em algumas situações. Às vezes converso com os amigos sobre economia e mercado e uso algumas coisas dos seus textos. Parabéns e grato.

  • Anildo C. Correa

    Já tive PP e desisti porque vi que os custos eram muito alto. Entretanto, fazendo um curso de finanças, o instrutor afirmou que a PP é quase que obrigatória como forma de segurança futura, dizendo que tem instituições que cobram só a taxa de administração e não tem tx de carregamento. Fiquei com duvidas se eu estava certo em abandonar a PP.

    Anildo C Correa

    • Edgard

      Acho que seu professor estava errado ou quis dizer outra coisa. Eu não tenho PP e sim tenho minha própria carteira em poupanças e tesouro direto, com isso o retorno será muito maior que PP.

  • Luis

    Caro Rafael.
    Falando a verdade nua e crua, não existe negócio bom com banco, sempre perderemos. Mesmo sob o argumento da “comodidade” em ter alguém trabalhando com nosso dinheiro, pois devemos sempre estarmos de olho no nosso dinheiro.

  • Gabriel

    Excelente artigo Rafael! Estava esperando por um artigo tão bom como o seu.

    Você poderia fazer um artigo com o passo a passo de como preencher a DARF??
    Já que vamos montar nossas carteiras com ETFs, acho que seria legal aprender como preencher ela

    Abs
    Gabriel

  • Bigas

    Quando você tem ações e tesouro e você morre. Isso fica como inventário também??

    E como seriam as “aposentadorias” que retiraríamos do tesouro e ETF? sacamos tudo quando chegar a hora e colocamos na poupança??

  • Andre yamazaki

    Prezado Rafael,
    TESOURO DIRETO X PREVIDENCIA PRIVADA RENDA GARANTIDA BRASILPREV para a aposentadoria?
    Possuo o plano de previdencia do BB com tx carregamento 9%, sem tx adm. Renda garantida de IGP-M + 6%aa.
    Meu pai se aposentou a pouco tempo com o INSS (vergonha!!), e pelo plano de previdencia privada da empresa. PORÉM, tanto um como outro, ele paga 27,5% de imposto (vergonha!!). Fiquei abismado com a necessidade do pagamento de imposto de renda na aposentadoria pelo INSS, mas principalmente na previdencia privada (mas é lei). Sei que é possível abater até 12% anualmente como beneficio fiscal e etc. Mas, VALE A PENA investir na previdencia privada, ou ela serve apenas para “EDUCAR” a pessoa para sempre guardar para aposentadoria? OU seria melhor por si próprio, guardar todo mês (eu tenho essa determinação) no tesouro direto (p.ex na NTN-B que protege da inflamação e ainda paga juros, com segurança, com custos baixissimos) e utilizar o TD como mecanismo para minha aposentadoria??
    Não tenho conhecimento técnico suficiente para “calcular” qual seria o mais vantajoso.
    Só não quero ficar pagando ainda mais impostos nesse país, ainda mais quando estiver “aposentado”(ABSURDO !!!!).Sei q o TD tem os impostos também, mas seria em cima do rendimento, e não sobre o valor total da retirada como na previdencia privada.
    Vc poderia me ajudar a decidir ?
    Obrigado
    André.

  • Edgard

    Até hoje esses economistas lixos falam que previdência privada é bom. Bom para o bolso dele. Se o cara me indica Previdência Privada então já sei que é péssimo profissional.

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Edgard,

      Na minha opinião, só é vantagem quando a empresa em que você trabalha dobra seu aporte. Investir por conta própria numa previdência privada é furada.

      Abraço!

  • Vítor

    Olá, Rafael

    Sou Pessoa Jurídica, portanto penso em fazer uma Previdência Privada. Tiro líquido por mês em torno de 4.000 reais, sendo que pago INSS total (com auxilio dos meus pais). Desse valor coloco 500 reais na poupança e 500 no CDB-DI. Pretendo separar mais 500 para um plano de PP e outros 500 para algo do Tesouro Direto. O que vc acha? Vale a pena fazer esses novos investimentos?

    Abraços!

    • Daniel

      Olá Victor, coloquei um post no inicio das perguntas (Daniel). Você tem um pensamento muito seguro sobre seu futuro, parabéns! Sei que o Rafael irá dar uma excelente dica para você, mas se permite irei dar um conselho, você já esta investindo $500 em CDB-DI e o mesmo valor em poupança, excelente… Como você esta querendo investir mais $1000, coloque na poupança, pois se você colocar mais $500 na PP você ficará com um valor muito alto “travado” por um período longo e se em uma urgência precisar do valor, irá perder muito no resgate fora da hora, poupança não tem essas taxas. Melhor seria se você colocasse um pouco desse valor em um título garantidor para blindar sua segunda idade. Abraços – Daniel (dnfsantos@gmail.com)

  • Daniel

    Rafael, excelente matéria! Gostaria apenas de alertar aos seus leitores que realizar um tipo de complemento para aposentadoria é excelente desde que você tenha certeza que nada irá acontecer com o responsável pelo aporte mensal, por isso que especialistas falam sobre a “ciranda financeira”, resumindo, 70% dia-a-dia (comida, bebida, cinema…), 20% investimento (poupança, cdi, LCI, LCA…) e 10% em um TÍTULO GARANTIDOR (seguro de vida resgatável). Se algo vier acontecer (perder a capacidade de gerar renda) o título garantidor irá manter a dignidade financeira desse pessoa. Esse tipo de investimento/segurança é muito comum em País de primeiro mundo. Deixo aqui meu contato para maiores informações -dnfsantos@gmail.com.

    Abraços para todos

  • Sandro Nunes

    Vi que algumas coisas mudaram,tiraram a taxa de carregamento na entrada e após 5 anos não paga na saída também,tornou mais interessantes,nas opções com renda reversível ao beneficiario e tem o seguro de vida também,acho interessante agregar esse investimento na carteira,pois sem taxa de carregamento e 1% de adm,fica melhor que muitos fundos por ai,não acha?