A Única Forma de Controlar Seus Gastos (Sem Prejudicar Sua Qualidade de Vida)

A única forma de controlar seus gastosVamos continuar?

Este é o segundo de uma série de três artigos para mostrar a você como construir um patrimônio sólido para viver de renda com qualidade de vida plena.

No primeiro artigo, eu contei a história de como fui enganado e convencido a investir em péssimas aplicações financeiras que só enriqueciam meu banco.

Além disso, expliquei também porque você deve evitar a qualquer custo um investimento bastante popular.

Caso você não o tenha lido, recomendo que faça isso agora, clicando neste link.

Depois é só voltar pra cá 🙂

Neste artigo, eu vou compartilhar a única maneira (única mesmo!) de controlar seus gastos sem prejudicar sua qualidade de vida, tanto no presente quanto no futuro.

Primeiro, quero compartilhar com você alguns comentários muito legais que recebi no artigo anterior:

Parabéns pelo artigo, Rafael. Sempre falando a verdade das coisas com o objetivo de promover a educação financeira. Sucesso!
— Tarcisio Figueiredo

Quero também parabenizar você, Rafael, pelos seus conteúdos, pois são verdadeiramente enriquecedores. Espero poder sempre acompanhar seu trabalho de educador financeiro. Deus te abençoe sempre!
— Camila Silva

Parabéns pelo texto, análise em linguagem acessível e principalmente sua intenção positiva em elucidar algo tão importante e que faz tanta falta para os brasileiros: a cultura do investimento e suas nuances por detrás delas.
— Mario Filho

Só tenho a agradecer por essas palavras mais que gentis, que me dão o apoio necessário para seguir nesta causa de libertar cada vez mais pessoas através da Educação Financeira.

Vamos agora à dica de hoje.

Como controlar seus gastos sem abrir mão de suas despesas favoritas

Só existe uma “fórmula mágica” para ter sucesso financeiro duradouro: gastar menos do que você ganha.

Ou ganhar mais do que você gasta 🙂

Por mais que pareça redundante, é importante mencionar essa frase nos dois sentidos.

Por quê?

Pois muitos pensam que só cortar gastos basta, quando também é possível encontrar caminhos para ganhar mais dinheiro.

(Falaremos sobre isso no próximo artigo)

Vamos falar agora sobre orçamento pessoal.

Esta é, sem sombra de dúvidas, a melhor ferramenta para controlar seus gastos.

Ao elaborar um orçamento, é fundamental que ele seja realista (não adianta apertar demais, não cumpri-lo, e se frustrar posteriormente), equilibrado (poupar demais é tão perigoso quanto gastar demais) e contemple seus objetivos de longo prazo.

Se você falhar em qualquer uma dessas três características, não terá disciplina e motivação para segui-lo.

Já estudei diversos modelos de orçamento na literatura, mas meu preferido foi proposto pelo Ramit Sethi, em seu livro I will teach you to be rich (Eu vou te ensinar a ser rico, em tradução livre).

É um modelo que eu chamo de 60-10-10-20.

O modelo ideal de orçamento, na minha opinião, deve ser dividido desta forma:

60% para os gastos básicos (manutenção da sua família)

Muitas pessoas ficam chocadas quando eu falo em “apenas” 60% para manutenção…

… mas o que elas não se dão conta é que, talvez, vivam muito acima de suas possibilidades.

Vou propor um rápido exercício:

Se você fosse demitido(a) exatamente agora, quais seriam os gastos que você manteria e quais você cortaria?

(Pare e pense honesta e verdadeiramente por alguns segundos)

Pronto!

Estes são seus verdadeiros gastos básicos 🙂

E se, mesmo assim, eles ainda estiverem acima de 60% da sua renda mensal, saiba que você está vivendo acima de suas possibilidades financeiras.

Então você deve estar perguntando agora:

Mas, Rafael, se eu cortar tudo que é supérfluo, como vou me divertir ou ter qualidade de vida plena?

Daqui a pouco eu chego lá 😉

10% para objetivos de curto prazo

Este é o montante para os planos de curto prazo e, principalmente, para garantir sua tranquilidade financeira.

É muito importante planejar uma viagem nas férias ou presentear as pessoas que você ama.

Para isso, é essencial reservar uma parte do seu dinheiro para estes propósitos.

Caso contrário, você pode enfrentar problemas quando voltar das férias ou no mês de janeiro, após as festas de fim de ano.

Além disso, para se proteger contra imprevistos financeiros, é fundamental montar um fundo de emergência.

Trata-se de uma reserva que não deve ser usada a menos que uma real emergência surja.

Que fique bem claro: imprevistos, como o próprio nome já diz, são coisas que não podem ser planejadas.

Emergência médica…

Estouro de um cano na sua residência…

Acidente com seu automóvel…

Ou, até mesmo, a perda do seu emprego.

Todos estes objetivos de curto prazo devem ser mantidos numa aplicação financeira de baixíssimo risco e alta liquidez (possibilidade de resgate imediato).

Tesouro Selic (título público mais conservador do mercado) e CDBs com liquidez diária são boas alternativas.

10% para investimentos (exclusivamente para aposentadoria)

Esta é a parte responsável por cuidar do seu futuro financeiro.

Ainda mais importante: o futuro da sua família.

Contar apenas com o INSS é a pior decisão que você pode tomar.

Por quê?

Porque a aposentadoria tradicional te empobrece ao longo do tempo.

Não é à toa que mais de 99% dos aposentados do Brasil não são financeiramente independentes.

Para mudar esse cenário, você precisa assumir a responsabilidade de aprender a investir por conta própria.

Afinal, ninguém cuidará do seu dinheiro melhor que você mesmo.

Existem diversas aplicações financeiras de qualidade e que estão acessíveis a qualquer pessoa que tenha pelo menos R$ 30 por mês para investir.

E já vimos no artigo anterior que planos de previdência privada são, em sua grande maioria, péssimos investimentos.

O Tesouro Direto é uma excelente alternativa.

Mas também existem CDB, LCI, LCA e até mesmo o mercado de ações, que é uma ótima forma de diversificar e obter uma rentabilidade acima da média (quando você sabe o que está fazendo).

O mais importante é se conscientizar que precisa aprender a investir, afinal seu futuro está em suas mãos.

20% para gastar livremente

De cara, você pode perguntar:

Sério que você está recomendando gastar 20% livremente?!

Sim!

Não é errado gastar.

É errado gastar exageradamente.

É importante entender que só tem o “direito” de utilizar livremente esses 20% quem não estiver endividado.

Afinal, esse montante é a recompensa por você ser disciplinado.

Quer sair com os amigos para se divertir?

Não tem problema.

Quer jantar fora com seu cônjuge?

Não tem problema.

Quer contratar uma TV a cabo ou mesmo comprar novas roupas ou sapatos?

Não… tem… problema.

No entanto, caso você esteja endividado, é sinal que já gastou livremente nos meses anteriores (ou não tinha uma reserva de emergência) e precisará quitar essas dívidas.

Logo, tanto os 20% dos gastos livres quanto os 10% dos objetivos de curto prazo devem ser alocados para quitar as dívidas o mais rápido possível.

Organizar sua vida financeira pode, à primeira vista, não ser fácil…

… mas, não se engane, é absurdamente simples.

Por que eu faço o que faço?

Agora muita gente me pergunta por que eu compartilho publicamente (e gratuitamente) todas essas informações.

Primeiro eu preciso deixar bem claro que eu não recebo comissão por recomendar qualquer investimento.

Além disso, não tenho vínculo com qualquer corretora ou instituição financeira.

Dito isso, eu sinceramente acredito que enriquecer é uma questão de escolha.

Com um planejamento correto e uma estratégia adequada, qualquer pessoa pode alcançar a liberdade financeira e viver com qualidade de vida plena.

Sinceramente eu demorei muito até descobrir e acreditar nessa solução, pois sempre tive informações erradas.

Desde que descobri a verdade, assumi o compromisso de divulgá-la para a maior quantidade possível de pessoas, pois senti na pele o quanto é ruim ser enganado e convencido a investir em péssimas aplicações financeiras.

Nestes artigos (e em vários outros já publicados aqui no Quero Ficar Rico), eu estou mostrando como isso pode ajudar você também.

Muitas pessoas aplicaram as técnicas que ensinei aqui no Quero Ficar Rico e nessa série de artigos que liberei nas últimas semanas.

Tenho recebido muitos e-mails e comentários de pessoas me pedindo para atendê-las individualmente, relatando diversas dúvidas específicas.

E quanto mais as pessoas colocam em prática o que ensino gratuitamente, mais elas querem aprofundar e ir para um nível de excelência.

Pensando nisso, para aqueles que estão realmente comprometidos a alcançar sua independência financeira, viver de renda e ter liberdade de escolha, trago uma ótima notícia.

Criei um treinamento completo sobre liberdade financeira, que ensina passo-a-passo como você pode acumular um patrimônio sólido para viver de renda passiva.

Se o conteúdo gratuito que ofereço já transformou a vida de tantas pessoas, imagine o que esse treinamento avançado pode fazer… 🙂

Darei mais detalhes sobre este treinamento no próximo artigo.

Combinado?

Vamos continuar isso…

No próximo artigo, eu vou explicar tudo que você precisa saber sobre o curso Minha Liberdade, o mais completo treinamento para viver de renda com qualidade de vida plena e alcançar sua liberdade financeira.

E ainda vou mostrar a você quais os três passos para acumular patrimônio de uma forma absurdamente simples.

Aqui está o link para o terceiro artigo:

Como Acumular Patrimônio Para Viver de Renda

Deixe um comentário!

Para finalizar, quero que você deixe um comentário e compartilhe o que você está achando dessa série de artigos sobre liberdade financeira.

Nos falamos no próximo artigo.

Até lá!

Assine (é grátis)

Cadastre seu email e receba gratuitamente as atualizações do Quero Ficar Rico!


Conquistou a independência financeira e quer ajudar outras pessoas a alcançarem o mesmo objetivo. Continue lendo aqui!