Cuidados para não se tornar um consumista exagerado

94 Flares Facebook 68 Twitter 20 Google+ 2 94 Flares ×

Consumismo exageradoNos dias atuais não está nada fácil ser um consumidor eficiente. Escrevi no artigo Como gastar dinheiro que não é errado adquirir produtos supérfluos, desde que essa compra seja feita com planejamento e equilíbrio. O consumidor deve consumir de modo eficiente, cuidando do seu bolso e seu gosto. Deve pesquisar preços antes da compra e zelar pela qualidade dos serviços e produtos que consome.

Entretanto encontrar o equilíbrio não é uma tarefa fácil, por vários fatores, dentre os quais posso destacar o comportamento consumista que existia, por necessidade, na época dos altíssimos índices inflacionários existentes no Brasil nas décadas de 80 e 90 (até 1994); a falta de educação financeira; o crescimento da classe C, que trouxe com ela milhões de brasileiros que nunca puderam fazer uma compra e que, por agora ter essa disponibilidade, o fazem sem controle.

Todos os fatores citados no parágrafo anterior influem direta ou indiretamente no comportamento de consumo, mas, na minha opinião, o grande vilão desse consumismo exagerado é a cultura da sociedade contemporânea, onde prevalece a regra do “ter pra ser”. Essa cultura ganha força com a mídia, que relaciona os produtos a sensações ou atributos de natureza abstrata como felicidade, poder, sensualidade, entre outros.

O que é consumismo?

De acordo com o Wikipedia, a definição de consumismo é:

Ato de consumir produtos e/ou serviços, indiscriminadamente, sem noção de que podem ser nocivos ou prejudiciais para a nossa saúde ou para o ambiente. Há várias discussões a respeito do tema, entre elas o tipo de influência que as empresas, por meio da propaganda e da publicidade, bem como a cultura industrial, por meio da TV e do cinema, exercem nas pessoas. Muitos alegam que elas induzem ao consumo desnecessário, sendo este um fruto do capitalismo e um fenômeno da sociedade de agora.

A origem e as consequências do consumo exagerado

Li uma excelente entrevista com o psiquiatra Sérgio Zaidhaft, que explica brilhantemente a origem e as consequências do consumismo exagerado. Ele defende (e eu concordo) que esse comportamento faz com que as pessoas acreditem que somente encontrarão prazer nas coisas materiais, preenchendo seu vazio sentimental.

A cultura sob a qual nós vivemos imprime valores e necessidades. A mídia influência na criação de “necessidades desnecessárias“. Aliada a isso, está a estratégia dos produtores de terem produtos com vida útil extremamente baixa, estimulando o consumo contínuo, pois o produto de melhor qualidade é sempre o que ainda está por vir. Como exemplo disso, posso citar as TVs de tubo, plasma, LCD, Led e agora 3D. A mídia nos faz acredicar que sempre tem uma melhor por vir e que a nossa está ultrapassada.

Entretanto, ainda de acordo com o psiquiatra, o preenchimento desse vazio existencial através do consumo desmedido é temporário, pois a sensação de prazer que se tem no ato de consumir é efêmera. Esse vazio, portanto, nunca se completa e as pessoas ficam cada vez mais desesperadas por um algo que preencha completamente, o que nunca acontece.

Quando a busca pelo prazer através do consumo chega a um estágio crítico, a pessoa passa a viver em função disso, em detrimento das outras questões de sua vida. Já é hora de pedir ajuda! Isso vale para qualquer tipo de consumo exagerado, tais como cigarro, comida, drogas ilícitas, internet, jogo ou qualquer coisa que impeça a pessoa de manter uma relação de satisfação com os outros e com o mundo.

Comportamentos de consumo

Segundo psicossociólogos, os consumidores tem o seguinte comportamento na hora de comprar um produto:

  • Racional: O consumidor sabe o que quer comprar e compara preços. Às vezes influencia-se pela promoção e pela publicidade, mas o resultado pode ser o oposto caso se sentir enganado.
  • Impulsivo: O ato de comprar serve para canalizar o estresse, reforçado pelo próprio shopping-center ou supermercado, produzindo uma sensação de prazer imediato.
  • Compulsivo: Para esse tipo de comprador, a necessidade de comprar é comparável à de um viciado em drogas. Para os psiquiatras, trata-se de um sintoma de uma desordem emocional. O consumo se dá como uma forma de compensar um vazio, de sentir-se acompanhado, ainda que seja por um objeto.

Qual o seu comportamento?

Quando defendo o equilíbrio e planejamento ao fazer compras, espero que você seja um consumidor racional, perfil em que me encontro. Não vou negar que vez por outra dou minhas deslizadas, mas sempre tento ser o mais racional possível. Não tenho vergonha alguma de ser chamado “mão de vaca” ou, como falamos aqui no Nordeste, “pirangueiro”, se isso ocorre quando estou seguindo meus objetivos.

E aí, qual o seu comportamento?

Assine (é grátis)

Cadastre seu email e receba gratuitamente as atualizações do Quero Ficar Rico!


Atingiu a liberdade financeira e quer ajudar outras pessoas a alcançarem o mesmo objetivo. Continue lendo aqui!

  • HELISON

    olá Rafael,

    vc poderia quebrar um galhão meu…

    esclarecer as duvidas q t mandei por e-mail…

    elas são persistentes…

  • Rosana

    Oi, Rafael

    Gostei do termo “Necessidades desnecessárias”.
    Vivemos em uma sociedade onde tudo é descartável, e quanto mais rápido um bem ou produto acabar, melhor para a indústria.
    Nada mais dura tanto tempo quanto há umas 3 ou 4 décadas atrás.
    Eu sempre me pergunto muito se preciso realmente do que quero comprar e geralmente acabo desistindo da compra pois são nos pequenos gastos que acabamos gastando muito a médio e longo prazo.

    Acho que essa frase tem muito a ver com seu texto:
    “Da próxima vez que surgir algo ‘sem o qual você não pode viver’, espere uma semana, depois verifique se ainda está vivo.”

    Abraços e sucesso,

    • http://twitter.com/SeabraRafael Rafael Seabra

      Essa é uma excelente tática para ser utilizada antes de comprar qualquer coisa que, inicialmente, achamos essenciais. Muitas vezes, depois de alguns dias, já não sentimos a mesma necessidade por aquele produto. A frase citada realmente define muito bem como devemos proceder.

      Abraço e valeu pela participação!

  • Geovane Costa

    Sou altamente Racional.. somente entro numa loja ou compro o que pesquisei há tempos.. e ainda somente o necessário..

    • http://twitter.com/SeabraRafael Rafael Seabra

      A pesquisa de preços é fundamental. Por que pagar mais caro se existem alternativas para o mesmo produto?

      Abraço!

  • Natália

    Não sou consumista,mas uma consumidora atenta e racional,não me deixo levar por promoções fúteis e detesto vendedores que ficam insistindo para eu levar o produto, sem antes poder dar uma volta pela rua e pensar se realmente necessito.

    • http://twitter.com/SeabraRafael Rafael Seabra

      Ótima prática!

      Abraço e valeu pela participação!

  • http://www.facebook.com/pablo.urpia Pablo Urpia

    Acho seu trabalho como educador financeiro fantástico.
    Contudo, no Brasil, não se tem o hábito de manter de forma organizada as finanças, mediante um planejamento financeiro simples (até possuir um fluxo de caixa pessoal). Isso faz com que a maioria das pessoas se colocam num cenário onde elas não tem consciência do que é prioridade e o que o caixa pode suportar.
    Costumo de dizer que Custos e Despesas são feito unhas, devemos estar sempre cortando, para haver uma sobra, que seria o superávit do caixa.
    Abraços!

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      É isso aí, Pablo. Precisamos ter controle sobre nosso orçamento e enxugá-lo sempre que possível. Isso pode ser feito através de software, planilha financeira ou até mesmo de um caderno.

      O importante é acompanhar de perto os gastos e saber para onde seu dinheiro está indo.

      Abraço!