Não existe parcelamento sem juros

359 Flares Facebook 315 Twitter 30 Google+ 8 359 Flares ×

Não existe parcelamento sem jurosAtualmente está cada vez mais comum ver anúncios do tipo “10 vezes sem juros” ou até “carro com juro zero“. O problema é que não existe parcelamento sem juros.

E pior parte: mesmo sem saber, quem está pagando os juros é você.

Tanto na compra a prazo de um automóvel ou de qualquer bem de consumo, você está pagando juros.

O objetivo deste artigo é apresentar várias situações onde – supostamente – é oferecido um produto com pagamento parcelado e sem juros, e explicar porque em cada uma dessas operações há a incidência dos juros.

Carro com juro zero?

Não existe carro com juro zero. Apesar das soma das parcelas ser igual ao valor do financiamento, isso não quer dizer que você não pagou juros.

Das formas mais criativas, a concessionária e a instituição financeira embutem os juros para você pagar: desconto se pagar à vista, TAC, IOF, tanque cheio ou IPVA grátis. Você está pagando por tudo isso não sabe.

Veja um depoimento do presidente da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef), retirado de uma matéria da Exame.com publicada em maio de 2010:

Décio Carbonari de Almeida, presidente da Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef), é taxativo quando o assunto é o preço dos carros parcelados. “Sempre existiu alguma forma de incentivo de vendas, criatividade é o que não falta. Mas a verdade é que nenhum banco trabalha com taxa zero“, admite.

Não precisa dizer mais nada, não é mesmo? Ainda assim, caso você queira saber mais, recomendo a leitura do artigo “Carro com juro zero é propaganda enganosa“.

Bens de consumo em até 10 vezes sem juros?

Outra situação muito comum são ofertas que vemos em praticamente qualquer estabelecimento comercial, seja ele físico ou virtual: “parcelamos em até 10 vezes sem juros“.

Esta é outra propaganda para lá de enganosa. Tanto é que a maioria das lojas de e-commerce já oferecem “descontos” para quem paga à vista ou no boleto.

Se a que você normalmente compra não oferece, faça uma rápida busca na internet e certamente vai encontrar rapidamente uma que ofereça.

Sabe o que isso significa? Que o preço realmente à vista é aquele com desconto e que o parcelamento “em 10 vezes sem juros” está, na verdade, com os juros embutidos.

E se a loja que eu compro não oferece desconto para pagamento à vista? Ainda assim os juros estão lá. E quem comprar à vista, nesse caso, vai perder ainda mais. Por isso que existem raras exceções onde comprar à vista não é a melhor opção.

E se meu pai me emprestar R$ 20 mil para eu comprar um carro e não cobrar juros?

Ainda assim há juros. A diferença é que, nesse caso, quem está pagando os juros é seu pai.

Pense comigo: se seu pai deixasse esse dinheiro na poupança, estaria ganhando pouco mais de R$ 100,00 por mês. Se ele deixa de ganhar esse dinheiro, está pagando para te ajudar.

Conclusão

Como eu mostrei acima, não existe juro zero. Em qualquer parcelamento, o lojista paga taxas administrativas e ainda demora alguns dias para receber dinheiro.

Inclusive se ele não tiver capital de giro suficiente, terá que recorrer a empréstimos de curto prazo ou hot money (operação bancária de empréstimo a curtíssimo prazo). E pode ter certeza: essas operações têm taxas altíssimas.

Por essa razão, receber à vista é sempre a melhor opção para o lojista. Se você acha que eles preferem receber a prazo, pode ter certeza que é porque existem juros embutidos nas prestações.

Deixe um comentário e compartilhe sua opinião conosco!

Assine (é grátis)

Cadastre seu email e receba gratuitamente as atualizações do Quero Ficar Rico!


Atingiu a liberdade financeira e quer ajudar outras pessoas a alcançarem o mesmo objetivo. Continue lendo aqui!

  • Gustavo

    Excelente artigo, Rafael. Falava sobre esse assunto com amigos do trabalho há poucos dias.
    As pessoas têm o costume de entender o parcelamento de uma aquisição como um benefício do vendedor, independente da incidência direta ou indireta de juros.
    E pior: comportam-se de maneira tímida diante desse “benefício”, e temem se constranger se negociarem com o vendedor um parcelamento.
    Mas na verdade a situação é inversa para o consumidor. Em alguns casos, um parcelamento pode ser mais benéfico para o vendedor que receber à vista, pois o embutimento de juros ocultos no parcelamento é tão alto que compensa o tempo de quitação do parcelamento.
    Por isso, na roda de discussão que mencionei acima, expressei que se você se apresentar para comprar um bem e a loja limitar sua possibilidade de aquisição em R$1000 à vista ou em dez parcelas de R$100 ela está lhe prejudicando ainda mais (das duas maneiras), pois, além de não lhe conceder desconto para um pagamento à vista, ainda lhe cobra juros embutidos no parcelamento caso não tenha o volume total de imediato. O consumidor sai perdendo de qualquer da duas maneiras de pagamento. Este é o entendimento que tenho diante de uma situação como esta.
    Solução: usar as dinâmicas do mercado a nosso favor. Pesquisar e praticar a economia (adquirir o item pelo menor custo possível).
    Abs.

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Excelente depoimento, Gustavo.

      A questão é que enquanto uma loja não oferece desconto à vista, outras dez vão oferecer.

      Uma dica é fazer uma pesquisa de preços em sites especializados (Buscapé, JaCotei, entre outros) e certamente vai encontrar preços mais baixos no boleto, por exemplo.

      Abraço!

  • http://www.jpbec.com/ Thomas

    No caso do empréstimo familiar quem pode contar com isso nem sempre faz. Exemplo: pega 20,000 com um pai e paga 500 reais durante 60 meses (juros muito menor que o das empresas), nesse caso os 2 ganham pois se o pai deixar na poupança 20,000 em 5 anos teria cerca de 29 mil, mas se o filho pagar 500 reais durante 5 anos o pai terá cerca de 35mil, ambos ganham, e todo mundo fica feliz, sempre que puder pegar empréstimo familiar é sempre a melhor alternativa.

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Thomas,

      Todos ganham se você pagar a seu pai exatamente o valor que ele ganharia no mercado. Se ele investe apenas na poupança, sua conta estaria correta.

      Já se ele investisse em títulos públicos, você teria que usar essa rentabilidade como meta.

      Independente disso, sua conclusão está corretíssima, pois você não teria que pagar a seu pai o spread, que é cobrado pelos bancos.

      Ah, mesmo nesse caso, a taxa de juros não é zero :)

      Abraço!

      • http://www.jpbec.com/ Thomas

        Nada vence o empréstimo familiar em termos de vantagens, no exemplo que dei o pai estaria ganhando mais que 2 vezes o valor da poupança, e muito mais que no tesouro direto, ou seja, só perderia para bolsa de valores, mas a bolsa de valores não pode ser usada pois não tem uma taxa fixa mensal.

        O empréstimo familiar é sempre a melhor coisa pois você paga o empréstimo em forma de investimento, ou seja, você ganha 2 vezes ou mais.
        Uma: Seu pai ganha mais dinheiro que na poupança ou outro investimento;
        Dois: Você compra o bem que sempre sonhou;
        Três: Você não paga juros, pois vai poder comprar o carro de 20mil por menos pois tem o valor à vista, o resto pode já usar pra adiantar parcelas;
        Quatro: Ao final do suposto empréstimo seu pai tem mais dinheiro e consequentemente você também, porque quando ele morrer esse dinheiro fica pra você e não pra filha de algum banqueiro que possivelmente vai gastar em uma balada no fim de semana rs;
        etc, etc, etc, muitas vantagens.

        abs

        • Ocimar

          Caro colega, é interessante a sua visão financeira para não pagar juros aos bancos, utilizando o empréstimo familiar, mas infelizmente nem todo mundo tem um pai, que tenham esse aporte para disponibilizar em forma de empréstimo ao seu filho!!!

      • Vianapfd

        Uma rápida correção: “Você está pagando por tudo isso E não sabe”.
        Agora, tem que pagar o papai ou o parente né! Empréstimo familiar é bom pra quem não tem parente folgado! Oh chiquinho, paga aí!.

  • http://www.facebook.com/people/Pobretão-De-Vida-Ruim/100003513889338 Pobretão De Vida Ruim

    O pior é que agora as lojas não dão desconto direito pra compras a vista.

    Isso é absurdo.

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      É aí onde deve entrar nossa atuação como consumidores inteligentes. Temos que pesquisar muito antes de comprar e a internet é uma ferramenta fabulosa para isso.

      Experimente, por exemplo, o Buscapé e você vai acessar comparações de preços em diversos estabelecimentos com poucos cliques.

      Abraço!

      • http://www.facebook.com/people/Jonathas-Duarte/711987160 Jonathas Duarte

        Já cheguei a tirar o celular do bolso numa loja pra conferir os preços no Buscapé, e ter o preço coberto pelo vendedor. Depende, realmente, da negociação.

        Além disso, praticamente tudo que compro pela Internet acaba sendo mais barato do que em lojas físicas – já que o custo pra manter uma e-store é muito menor.

        Quer “ver” o produto ao vivo? Confira e teste numa loja de verdade, depois compre na internet se achar um preço melhor. Até com sapato já fiz isso, rs.

        A questão é que muita gente ainda tem receio das compras virtuais, principalmente por experiências prévias negativas (geralmente imputáveis à ansiedade e desconhecimento do próprio comprador), ou porque a pessoa se agarra àquela mentalidade do tipo “eu não compro pela Internet” – sem refletir sobre a possibilidade de experimentar.

        • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

          Pois é. Temos que pesquisar e saber negociar. Temos que entender que queremos comprar tanto quanto eles querem vender. Então não estamos fazendo nenhum favor.

          E o que você falou é verdade em relação às lojas virtuais. Cada vez mais compramos pela internet.

          E o exemplo que você deu realmente acontece bastante. Canso de ver pessoas experimentando tênis e camisas de clubes de futebol em lojas de artigos esportivos, e saindo sem levar nada.

          Certamente o destino deles será uma loja virtual.

          Abraço!

  • Edgard Santos

    Rafael, eu sempre defendi pagamento à vista para não pagar juros, mas antes desse artigo, por exemplo sobre o artigo uso de cartão de crédito você defende essa modalidade e o engraçado que agora que não defende o “Parcelamento sem Juros”, acho que você como tem muitos seguidores deveria defender que as pessoas não utilizem cartão de crédito é uma mal para população, me prove os beneficios que um cartão tem, se supera os beneficios de quem paga à vista, porque com o cartão de crédito a pessoa muitas vezes não resiste ao parcelamento, eu por exemplo amanhã vou comprar meu carro 0Km à vista e com desconto, juntei dinheiro por 1 ano.

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Não defendi o uso do cartão de crédito. Já defendi, em algumas situações, o uso consciente deste meio.

      O problema é que existem situações onde não há desconto à vista. São raras, mas existem. Ex: postos de gasolina.

      Nesses raros casos, é financeiramente mais vantajoso colocar o dinheiro do pagamento à vista na poupança e pagar as parcelas “sem juros”, já que o desconto não foi conseguido.

      É importante não confundir o que vale a pena do ponto de vista financeiro e do ponto de vista psicológico. Existem situações onde o cartão de crédito pode até compensar financeiramente (novamente o posto de gasolina é um exemplo), mas pode complicar para quem não tem disciplina.

      Tenha cuidado ao interpretar meus textos, pois eu defender uma situação específica não significa que eu defenda a situação geral. Isso te leva a conclusões equivocadas, como essa que você disse agora (“você defende essa modalidade e o engraçado que agora que não defende”).

      Existem situações em que eu falo que títulos de capitalização podem ser uma boa escolha, mesmo sendo tão ruim – financeiramente falando – que eu nem classificaria como investimento. E isso não me faz um “defensor dos títulos de capitalização”.

      Como muitas pessoas leem esse blog, precisava deixar isso bem claro para não haver confusão.

      Abraço!

      • Edgard Santos

        Bom Rafael, gosto dos seus artigos, mas as vezes ler que Titulo de Capitalização e cartão de crédito tem tem seus beneficios é duro de ouvir, bom é minha opinião, cada um tem a sua, mas nunca, mas nunca mesmo indicaria para uma pessoa o Titulo de Capitalização e Cartão de Crédito. Hoje, fazem 5 anos que não utilizo o cartão de crédito e só tenho elogios a isso.

        • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

          E você está certíssimo em relação a isso.

          Quem puder não utilizar cartão de crédito, certamente estará fazendo algo excelente para sua saúde financeira.

          Abraço!

        • http://www.jpbec.com/ Thomasgm

          O cartão de crédito não é o vilão e sim a pessoa que utiliza, ele pode ser muito útil em vários casos, nem sempre você tem descontos, e nem sempre você tem o dinheiro pra pagar algo à vista. Um exemplo é o seguinte, minha cachorra ficou doente, e era caso de vida ou morte, ou operava no dia seguinte ou ela corria risco de morrer, o valor da operação + despesas médicas ficava em 1,500 reais, eu não tinha 1,500 reais pra sacar na hora do banco e nenhum dos investimentos que tenho deixaria eu sacar no próximo dia, a alternativa foi usar o cartão de crédito, e não podia pedir desconto em uma cirurgia do animal, além de soar mal ainda faria o veterinário achar que só penso em dinheiro. O cartão de crédito literalmente salvou a vida da minha cachorra.

          Quanto ao título de capitalização não concordo com você, existem pessoas que são viciadas em jogos, para elas seria muito melhor apostar na capitalização, as vezes a pessoa pode ser sorteada logo no primeiro ano e ganhar uma bolada que vc demoraria 10 ou 20 anos pra juntar na poupança ou na bolsa. Mas como já foi dito título de capitalização só serve pra substituir jogos não é um investimento, a curto ou longo prazo você sempre perde dinheiro, mesmo que recupere tudo no final, você ganhou menos que o rendimento da poupança em troca de concorrer a sorteios.

        • Edgard Santos

          Thomas, mas se você não tivesse limite do Cartão, como ficaria o pagamento da cirurgia? Nesse caso o que eu faço é guardar dinheiro na poupança para emergências, então nesse caso eu teria o dinheiro sem precisar de pagar com o cartão de crédito.
          No caso de titulo de capitalização, se a pessoa é viciado, então que vá procurar um especialista, já que vicio não faz bem a saúde. E titulo de capitalização só é bom para o banco.

        • Mário

          nada a ver seu ponto de vista. no dia vc ou um parente seu for espancado e roubado na saída de um caixa eletrônico por ficar carregando dinheiro, aí vc vai mudar de idéia.
          pode ficar pagando tudo a vista, economizando 5 reais aqui, 8 ali. prefiro no final do ano emitir uma passagem pro exterior de graça com as milhas do cartão e ver vc do meu lado desembolsando 2000 reais na mesma passagem (à vista).
          há vantagens e desvantagens em tudo.

  • Lázaro Silva Lacerda

    Ola Rafael, gostaria de tirar uma dúvida um pouco fora do assunto do post, mas relacionado com investimentos.

    Uma empresa aqui em BH esta me cobrando R$ 160,00 para intermediar meus investimentos. Gostaria de saber se este é um preço justo, uma vez que pretendo fazer um investimento inicial de 4 mil?

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Como assim intermediar? Você está pagando por uma consultoria ou apenas assessoria baseada em carteiras recomendadas das corretoras?

      É necessário mais detalhes para compreender do que se trata, mas a princípio eu não pagaria esse valor.

      Abraço!

  • http://www.guilhermeazevedo.com.br/ Guilherme Azevedo

    Uma vez fui comprar um carro com meu cunhado e o vendedor fez pouco caso pois nossa intenção era comprar a vista. Para ele era melhor que fizéssemos financiamento pois assim ele ganhava uma comissão dobrada.
    Até escrevi a respeito no meu blog, na época. Por coincidência escrevi com esse mesmo título: Não existe parcelamento sem juros
    http://www.guilhermeazevedo.com.br/2011/11/17/nao-existe-parcelamento-sem-juros/

    Abraços

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Ótimo relato, Guilherme.

      Li seu post e achei muito bacana.

      Parabéns pelo trabalho e obrigado pela participação.

      Abraço!

  • Alberto

    Já que sempre há juros, qual seria a menor taxa possível? Seria a taxa que se iguala ao índice de inflação do período, já que esse é o custo da desvalorização do dinheiro ao longo do tempo?

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Nenhuma taxa é menor que a Selic (atualmente está em 9% ao ano). Entretanto ainda tem o spread, que é o lucro sobre essa taxa.

      Então dificilmente vamos encontrar financiamento inferiores a 1% ao mês.

      Abraço!

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Nenhuma taxa é menor que a Selic (atualmente está em 9% ao ano). Entretanto ainda tem o spread, que é o lucro sobre essa taxa.

      Então dificilmente vamos encontrar financiamento inferiores a 1% ao mês.

      Abraço!

  • Fulltronic2

    e se a loja nao der desconto para pagto a vista no boletou ou em 10x no cartão sem juros ? aí sim existirá parcelamento sem juros

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Aí você procura outra loja, pois pode ter certeza que os juros estão lá nas parcelas e você encontrará mais barato em outro estabelecimento.

      Abraço!

  • Thiago

    Rafael primeiro queria de parabeniza pelos excelentes artigos que escreve, tem ajudado muito na formação de minha educação financeira. Gostaria de um concelho para meu pai.
    Ele vendeu sua casa pelo valor de 100 mil, para comprar outra em outro bairro. Porem ele já estar com um pedido de financiamento pela caixa para compra de uma casa (bem adiantado) você acha vantagem ele fazer o financiamento e investir os 100 mil em uma aplicação bancaria? Onde o valor de rendimento pague as parcelas do financiamento. Desde já agradeço e não se preocupe com sua respostas, pois meu pai já tomou a decisão. quero saber a opinião de um especialista apenas para ver se minha opinião foi a mais adequada.

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Thiago,

      Essa resposta é simples: seu pai tem que comparar as taxas.

      Se a taxa de juros do financiamento for maior que a taxa que ele conseguiria na aplicação financeira, é melhor pagar à vista.

      Caso contrário, é melhor investir o dinheiro.

      Abraço!

  • Anônimo

    Concordo plenamente, porém há casos em que comprando a vista, mesmo sem conseguir o desconto dos juros, ainda assim é o melhor preço que encontrei, e neste caso acabo comprando a vista e pagando os juros embutidos, infelizmente.

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      O importante, nesse caso, é ter feito a pesquisa e encontrado o menor preço.

      Abraço!

  • Leandro

    Muito bom!!

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Valeu, Leandro.

      Abraço!

  • Wedson C

    A partir da informação de que o lojista pode cobrar um valor menor no pagamento a vista, venho informar que tal prática´configura crime, segundo o código de defesa do consumidor. Segundo os vídeos do Celso Russomano. Caso ocorra alguma dúvida, assista o vídeo e pesquise sobre. Abraços

    • http://www.queroficarrico.com.br Rafael Seabra

      Wedson,

      Existe um Projeto de Lei do Senado, Nº 492 de 2009, para permitir a fixação de preço diferenciado na venda de bens ou na prestação de serviços pagos com cartão de crédito em relação ao preço à vista. Para consultá-lo, basta acessar esse link: http://www.senado.gov.br/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=93998

      O fato é que o maior prejudicado é o consumidor, pois os cartões de crédito e débito cobram tarifas e estas são repassadas para nós. Caso não seja permitido cobrar preço diferenciado, o preço à vista é que será aumentado, e não o contrário.

      E tem mais: mesmo ainda sendo ilegal, basta você entrar em qualquer site de comércio eletrônico e verá descontos de 5%, 10% ou até 15% para pagamento através de boletos bancários.

      Abraço!